Última Hora

• Nenhum artigo encontrado
Suarez

A esperança é a última a morrer

A Selecção das Honduras realizou o último treino – que foi aberto à imprensa apenas durante os primeiros quinze minutos para obter imagens do aquecimento dos jogadores, mas que se sabe que se concentrou essencialmente em trabalhar as ligações entre o meio campo e o ataque – hoje de manhã, em Porto Feliz, antes de viajar para Curitiba para o jogo contra o Equador – excepto o treino de reconhecimento na Arena Baixada, amanhã, por volta das 17h30.

Após a derrota contra a Selecção da França, o seleccionador Luís Fernando Suárez e toda a equipa das Honduras está ansiosa para conquistar o primeiro golo no Mundial deste ano, e o terceiro na história do país. De facto, golos é algo a que os hondurenhos não estão habituados em Campeonatos do Mundo – A Selecção das Honduras não marca desde a edição do Campeonato do Mundo em Espanha, em 1982. Se tal não mudar, as Honduras batem o recorde de maior número de minutos jogados sem golos – actualmente situam-se em terceiro lugar, com 480 minutos de jogo sem golos.

Esta é a terceira participação das Honduras num Campeonato do Mundo. Na estreia, em Espanha, a equipa foi eliminada na primeira fase à semelhança do que voltou a acontecer na África do Sul, em 2010, onde a equipa ficou novamente pela fase de grupos.

Contudo, e apesar das perspectivas não serem as mais favoráveis para a Selecção das Honduras, a equipa hondurenha mantém a esperança. Após o treino desta quarta-feira, em Porto Feliz, o avançado Palacios afirmou que a postura no jogo contra a Selecção do Equador será diferente daquela mostrada no jogo contra a França.

“(…) Acredito que contra o Equador será diferente. Estamos comprometidos com o nosso país. Estamos todos confiantes de que poderemos ganhar. O jogo contra o Equador é muito importante. Todas os jogos num Mundial são finais, e sabemos que podemos dar mais dentro de campo.” – afirmou.

Da mesma opinião que Palacios é o defesa Juan Carlos García, para quem ainda nada está perdido.

“Não temos medo de jogar e temos capacidade para tal. Estamos mais seguros e a trabalhar muito para obter um resultado positivo. Esperamos poder contar com o apoio dos adeptos. Precisamos de jogar bem para alcançar a vitória.” – enfatizou.

A Selecção das Honduras vai enfrentar o Equador já esta sexta-feira, pelas 19h, na Arena da Baixada em Curitiba. As Selecções da França e da Suíça, que também se enfrentam sexta-feira, lideram o Grupo E com três pontos.

Jogadores podem falhar presença contra o Equador

Com muitas adversidades à mistura, e apesar de estarem confiantes, a verdade é que a equipa das Honduras não poderá contar com a colaboração de pelo menos um dos melhores jogadores da equipa.

É garantido que o avançado das Honduras, Wilson Palacios, não estará presente no próximo jogo contra o Equador pelo castigo que recebeu da FIFA após ter sido expulso no jogo frente à França  - no lugar dele , Suárez deverá colocar Boniek Garcia.

“A equipa perdeu uma grande referência. A saída do meu irmão foi difícil porque sei que esta é uma grande oportunidade para ele. Agora, o que passou, passou. Estamos conscientes de que estamos numa situação em que não podemos perder mais. Somos responsáveis por dar a volta por cima.” – afirmou Jerry Palacios, irmão e colega de Wilson Palacios.

Assim como Palacios, também o defesa, Victor Bernárdez,  não deverá participar no próximo jogo – não por expulsão, mas por estar lesionado. O atleta está a recuperar de uma lesão que sofreu no tornozelo e continua a fazer actividades leves, como corridas no campo e alongamentos em piscina aquecida, pelo que a sua presença no próximo jogo contra das Honduras é ainda uma interrogação – embora o jogador diga que já se sente melhor.

“Estou a recuperar bem e pretendo jogar contra o Equador. A dor ainda me incomoda, mas se o treinador precisar de mim, vou estar à disposição.” – afirmou Bernárdez.

Perante tantas adversidades e com as estatísticas contra si, nada mais resta à Selecção da Honduras do que manter a esperança até sexta-feira e dar o tudo por tudo em campo. Caso para dizer: a esperança é a última a morrer.

Outros Artigos Recomendados

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *