Última Hora

• Nenhum artigo encontrado
Colômbia 3 - 0 Grécia

A febre, colombiana, de sábado à tarde

Estádio Mineirão, em Belo Horizonte. Cerca de 60.000 espectadores. Bom tempo, com algumas nuvens.

Selecção da Colômbia – David Ospina, Camilo Zúñiga, Mario Yepes, Cristian Zapata, Pablo Armero (74′ Santiago Arias), Carlos Sánchez, Abel Aguilar (68′ Alex Mejía), Juan Cuadrado, James Rodríguez, Víctor Ibarbo, Teófilo Gutiérrez (76′ Jackson Martínez).

Treinador – José Pékerman.

Selecção da Grécia – Orestis Karnezis, Vasilis Torosidis, Kostas Manolas, Sokratis Papastathopoulos, José Holebas, Dimitris Salpingidis (57′ Giannis Fetfatzidis), Giannis Maniatis, Kostas Katsouranis, Panagiotis Kone (78′ Giorgos Karagounis), Giorgos Samaras, Fanis Gekas (64′ Kostas Mitroglou).

Treinador – Fernando Santos.

Golos – 5′ Pablo Armero – Colômbia 1 – 0 Grécia / 58′ Teófilo Gutiérrez – Colômbia 2 – 0 Grécia / 90′+2′ James Rodríguez – Colômbia 3 – 0 Grécia.

E às 17:00′ de Portugal continental entrou, finalmente, em prova, o primeiro português dos presentes neste Campeonato do Mundo de Futebol do Brasil. Fernando Santos, o seleccionador da Grécia, entrou em acção contra a selecção colombiana e ambas têm pretensão a continuar em jogo depois desta primeira fase de grupos.

Pela parte da selecção sul-americana, Jackson Martinez, o avançado do FC Porto, não foi opção inicial para José Pékerman. Pelo lado da selecção europeia, foi Kostas Mitroglou que o seleccionador resolveu deixar no banco neste início de jogo, em início de Campeonato.

A Primeira Parte

A selecção colombiana começou este jogo a pressionar mais, mas com boas réplicas da selecção grega.

Mas ainda as equipas estavam a estudar-se, quando, num remate fortuito, numa jogada de ataque pouco incisiva, e com a bola a rolar devagarinho, o defesa Pablo Armero pôs a selecção colombiana à frente do marcador. Fernando Santos, o seleccionador grego, ficou a olhar, sem reacção, sem perceber muito bem como é que tinha acontecido aquele golo.

E depois de uma primeira reacção dos jogadores gregos após o primeiro golo do encontro, a selecção colombiana voltou a recuperar a primazia do jogo, jogado, na sua maior parte, a meio do campo, mas do meio-campo grego.

Colômbia 3 - 0 Grécia

O primeiro golo da Colômbia entrou suave, suavemente

Essa predominância colombiana durou mais ou menos até aos 15′ de jogo, altura em que as forças trocaram de posição e passou a equipa grega a instalar-se dentro do meio-campo colombiano, com estes a controlarem, mas a deixarem a Grécia a ter a posse da bola e a fazer as despesas do jogo.

Como consequência do domínio de jogo da Grécia, e com o retraimento colombiano, a equipa grega começou a forçar as entradas pelo campo colombiano dentro e, aos 26′, Carlos Sánchez é obrigado a cometer falta e é admoestado com o primeiro cartão amarelo do jogo. Nesta fase o domínio grego é por demais evidente e o jogo ganha ritmo, com os colombianos a tentarem inverter o sentido. Não deixa de ser irónico que, a selecção helénica estivesse a carregar bem sobre os colombianos mas, quando estes provocavam o contra-ataque, a defesa grega tremia por todos os lados.

Aos 37′, James Rodríguez remata de primeira sobre a baliza de Orestis Karnezis, depois de um passe bem encaminhada na sua direcção, comprovando a ideia, adiantada atrás, que a selecção grega tomou conta do jogo, ganhou mais bola, mas cada vez que a selecção colombiana acelerava no contra-ataque, os gregos tremiam e tentavam limpar a bola de qualquer maneira.

Aos 45′, a melhor situação de golo para a Grécia, com os grego a subirem pelo lado direito, a bola a cair em Panagiotis Kone, em posição frontal à baliza, a rematar, bem colocado ao canto superior direito, mas com David Ospina a subir e conseguir defendê-la.

Quase a terminar a primeira parte do jogo, a confirmação de que a Grécia mantinha o ascendente, tendo mais posse de bola, mas também a certeza que, se a Grécia dominou grande parte desta metade, foi porque os colombianos assim o permitiram.

A Segunda Parte

E a segunda parte começou como terminou a primeira, com a selecção grega a carregar forte sobre a defesa colombiana, mas com esta bastante segura e a deixar os gregos carregarem, mas a controlá-los.

Mas depressa os colombianos se fartaram de ter de aturar os ataques continuados dos gregos e resolveram mudar as coisas e carregaram sobre o adversário. Este foi um período de jogo bastante rápido, com a bola a movimentar-se entre o meio-campo colombiano e o meio-campo grego, até que, e de novo, a defesa grega começou a sentir demasiada pressão e começou a recuar cada vez mais.

Com a tentativa de recuperação de jogo da equipa colombiana, os gregos começaram a recorrer, cada vez mais, à falta e, em poucos minutos, receberam dois cartões amarelos. Aos 52′ foi Sokratis Papastathopoulos e, aos 55′ foi a vez de Dimitris Salpingidis, que seria quase imediatamente substituído. Ainda nesse ataque colombiano, e no seguimento de um pontapé de canto, aos 58′ Teófilo Gutiérrez faz o segundo golo para a equipa da Colômbia, aumentando a diferença para os 2 a 0.

Colômbia 3 - 0 Grécia

A Grécia jogou o que a Colômbia permitiu

Ora, cinco minutos depois, aos 63′, e num contra-ataque grego pelo lado direito, houve um remate a pingar dentro da grande área colombiana e Fanis Gekas, com a baliza completamente aberta, e o guarda-redes fora da jogada, a cabecear à barra. Logo depois, Gekas foi substituído por Mitroglou.

A entrada de Kostas Mitroglou veio mexer um pouco com o ataque grego, mas foi sol de pouca dura. A selecção colombiana pegou de novo no jogo, fixou-se no meio-campo grego e começou a ganhar posse de bola.

E, finalmente, aos 76′, José Pékerman fez entrar o ponta-de-lança do FC Porto, Jackson Martínez. E, na resposta, Fernando Santos fez entrar, aos 78′, o antigo jogador do Benfica, Giorgos Karagounis.

O jogo tornou-se um pouco incaracterístico a partir desta altura. As substituições não vieram alterar grande coisa, os ataques eram feitos à vez e, aos 85′, Giorgos Samaras, bem colocado frente à baliza, mas fora da área, remata, colocado, com a bola a passar rente ao poste esquerdo da baliza de David Ospina.

E quando tudo parecia ir ficando na mesma, com a Colômbia satisfeita com o resultado e a Grécia sem conseguir alterá-lo, eis que, aos 90′+2′, James Rodríguez faz o terceiro golo da partida, matando definitivamente a equipa de Fernando Santos.

Conclusão

Ora, o que parecia ir ser um jogo equilibrado, acabou por ser uma festa colombiana que, só não o foi mais porque os sul-americanos não o quiseram.

A primeira impressão que ficou deste jogo é que a selecção colombiana é bastante interessante, com muitas soluções, tendo deixado a ideia que não foi mais longe porque não quis, não pretendeu forçar demais e deixou, por longos períodos de tempo, a Selecção da Grécia tomar conta do jogo, mas sempre a controlá-lo.

A segunda impressão que ficou, é que esta selecção grega de Fernando Santos não tem grandes soluções, parecendo ser bastante apática e pobrezinha.

Colômbia 3 - 0 Grécia

A Colômbia fez a festa

Os colombianos dominaram o jogo como quiseram durante todo o tempo pois, mesmo quando os grego tomaram conta dele, e ganharam posse de bola, ela foi estrategicamente mais permitida que tomada.

É também de se dizer que, uma das grandes esperanças gregas para este Mundial era Kostas Mitroglou, que começou o jogo no banco e, quando finalmente entrou, não trouxe nada de novo, nem foi alterar as coisas como, certamente, Fernando Santos pretenderia. Mas diga-se, de passagem, que o mesmo se passou com a entrada de Jackson Martínez, que também passou ao lado do jogo, nos minutos em que esteve em campo.

É de crer que será preciso contar com esta selecção colombiana que veio aqui ao Brasil disposta a dançar o samba. Quanto à Grécia, Fernando Santos terá de repensar tudo, porque este início foi, verdadeiramente, frágil.

Outros Artigos Recomendados

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *