Última Hora

• Nenhum artigo encontrado
Neymar Brasil

Brasil e Neymar, a dependência dá para os dois lados

O Brasil sem Neymar não seria o mesmo, provavelmente não estaria sequer encaminhado para discutir o título deste Mundial. É uma evidência, reforçada a cada partida da canarinha. Mas o inverso também é verdadeiro, Neymar precisa do Escrete, basta ver como ele ganha vida em campo com a camisola dez do Brasil. Coisa que não acontece no Barcelona. E quem fala da pressão no jogador, como se fosse uma coisa negativa, nunca observou o Júnior com atenção. Assumir a responsabilidade é o mais natural nele.

Deixa comigo

Mais uma vez, diante do seu público, Neymar avançou para salvar o dia. Fê-lo abrindo brechas, encontrando caminhos para a baliza adversária e desbloqueando o marcador. Numa partida em que Brasil precisava de ganhar para garantir o primeiro lugar do Grupo A, calar Van Gaal e conquistar a torcida mais desconfiada, ele fez o mais difícil. Para o bem e para o mau a afirmação do camisola 10 do Brasil para os seus companheiros tem sido sempre “deixa comigo”!

O primeiro golo de Neymar frente aos Camarões, aos dezassete minutos, foi o centésimo golo deste mundial, marcado no centésimo jogo do Brasil em campeonatos do mundo. A capicua parecia sinal de sorte, e de que a vitória canarinha estava lançada. A resposta dos Leões Indomáveis, nem dez minutos depois, foi um balde de água fria nos adeptos e no plantel brasileiro. Os Camarões, que ainda não tinham marcado nesta Copa, batiam o pé aos anfitriões. Mais, uma vez foi preciso Neymar para repor a ordem, coisa que fez aos trinta e cinco minutos da partida. Estava definido o tom, e o caminho para a goleada. O Brasil segue em frente, defrontando o Chile já no próximo fim-de-semana.

Dar e receber

No rescaldo da festa logo voltaram as vozes, umas críticas, outras mais de aviso. O Brasil está demasiado dependente do seu número dez. O que seria da equipa se – batam na madeira – ele se lesionar ou for castigado? Não seria o mesmo. Mas arrisco dizer que não seria um desastre e que outros assumiriam. E depois, essa é uma discussão estéril: se o jogador está disponível como não aproveitar a sua energia e talento? Depois vem a parte da pressão, que não é saudável nem justo para o avançado carregar o Brasil às costas. Esquecem-se que há elementos, como Neymar, que funcionam melhor nessas circunstâncias. Ele gosta disso, de ser o último a sair do autocarro, de cumprimentar os companheiros no túnel de acesso ao relvado antes das partidas, quase um capitão sombra. Por isso digo que a relação Brasil-Neymar é muito mais simbiótica do que vamos ouvindo. Ele arrasta a equipa atrás de si mas é também com o número 10 nas costas que ele se solta. De certa forma, é onde Neymar vem para carregar as suas baterias, para regressar à Europa e encaixar na máquina que é o Barcelona.

Remember when you used to have to wait for your computer to boot to check your email

Outros Artigos Recomendados

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *