Última Hora

• Nenhum artigo encontrado
Julio Cesar Guarda Redes Brasil

Brasil teve sorte e Júlio César

O Brasil viu o sonho do hexa muito mal-parado. O Chile criou uma muralha de resistência para barrar as sucessivas vagas. A referência da área também nunca teve arte para bater Medel e Cláudio Bravo. Em cento e vinte minutos os meninos de Scolari não encontraram solução. Levaram um valente susto ao ver o sonho escapar-lhes das mãos. Chegou então o momento dos penáltis. Nesse frente-a-frente, Júlio César, foi providencial. Graças a duas enormes defesas, o Brasil segue em prova. O Brasil rende-se ao Imperador.

“Quase pagamos o preço”

Luis Felipe Scolari admitiu, na conferência de imprensa no final do encontro, que o Brasil teve sorte. O Chile foi o adversário aguerrido que se esperava e os Canarinhos não encontraram brechas para explorar. “Quando não se aproveitam as poucas oportunidades que temos, podemos pagar caro. Nós quase pagamos o preço ao minuto cento e dezoito quando a bola foi à barra.” Depois do 1 a 1, o Brasil acabou por vencer 3-2 nas grandes penalidades. Mas certamente o plantel verde e amarelo, e a torcida brasileira, não esperavam todo este sofrimento logo nos oitavos-de-final. O Brasil desperdiçou alguns lançes, o que nesta fase é quase sempre fatal. Converter apenas um dos treze remates à baliza revela falta de acerto na finalização. É verdade que a exibição gigantesca do pequeno Medel, e do guarda-redes Cláudio Bravo, tiveram uma grande influência nessa falta de eficácia. Mas não explica tudo. A certa altura, percebendo a dificuldade que tinha em penetrar na área com a bola no pé, o Brasil apostou em lançar bolas para o avançado de referência. Mas é quase confrangedor ver o Brasil alinhar com Fred ou Jô. Medel e Jara provaram que o tamanho importa mas é o que se faz com ele que conta. A dois minutos do fim do prolongamento os Canarinhos sustiveram a respiração: o remate forte e colocado de Mauricio Pinilla, vai à barra.

Neymar tocado

A sorte do jogo pode agora vir a ter o seu revés. Neymar saiu do Mineirão, em Belo Horizonte bastante maltratado fisicamente. O menino querido do Brasil sofreu uma contratura na coxa e pode não estar nas melhores condições para jogar os quartos-de-final. Ainda é cedo para perceber, como esclareceu Scolari. “Vai ser preciso avaliar mas devemos ter três, quatro ou cinco dias para tentar que ele esteja pronto para alinhar no próximo jogo.” Neymar foi muito bem anulado pela estratégia chilena que, basicamente, passava por não lhe dar um metro de terreno. Sofreu marcação cerrada o que significa que foi muitas vezes travado pelo corpo dos adversários. “Hoje aconteceu-me de tudo, levei pancada, tive câimbras. Agora só quero descansar.” Júnior saiu de campo esgotado, física e emocionalmente. Não sem que antes provasse toda a sua raça. Neymar assumir a responsabilidade, ao marcar o penálti decisivo, de forma imperturbável. Scolari não se esqueceu de ressaltar. “Ele tem vinte e dois mas joga como se tivesse trinta e cinco. Ele não tem problemas com a pressão. É tão forte mentalmente, e isso já se via aos dezassete ou dezoito. Marcou aquele penálti como se estivéssemos num treino, em Santos.”

Ave, César!

Mas o herói do Brasil, este Sábado, foi o guardião Júlio César. Na entrevista no relvado, no final do jogo, ele mal conseguiu falar de tão emocionado. Não era para menos. Há quatro anos ele foi, para muitos brasileiros, o bode expiatório da eliminação na África do Sul. Ontem ele recuperou a confiança dos adeptos. Desde então saiu do Inter para o Queens Park Rangers e, não tendo a titularidade, passou a última época emprestado ao Toronto FC, só para manter o seu lugar na baliza do Brasil. Sacrifícios pessoais que explicam a descarga emotiva “Há quatro anos atrás, dei uma entrevista muito triste e muito emocionado. Hoje estou a repetir isso, mas de felicidade. Só Deus e a minha família sabem o que eu passei até hoje, mas eu sempre soube que a minha história na seleção brasileira não tinha terminado. Faltam três degraus e espero voltar a dar esta entrevista com o Brasil inteiro em festa.”

But, she added, not all educators in school how to write an outline for an essay districts may agree with the decision to take part

Outros Artigos Recomendados

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *