Última Hora

• Nenhum artigo encontrado
Costa Rica 3 x 1 Uruguai

Costa Rica surpreende um Uruguai sem ideias

No jogo de abertura do Grupo D do Mundial do Brasil, a Seleção da Costa Rica conseguiu um resultado, do qual tem que se orgulhar, ao vencer o favorito Uruguai por 3-1. Esta partida teve lugar Estádio Castelão, em Fortaleza, e levou os costa riquenhos à liderança do grupo, ainda que de forma provisória, visto que faltam ainda jogar os dois restantes figurantes do agrupamento, a Inglaterra e a Itália.

1ª Parte

A partida teve início com os dois conjunto algo apreensivos à espera de reconhecerem o estilo de jogo um do outro. Pela via de passes longos, foi o Uruguai que, naturalmente, mais depressa se chegou à baliza adversária tendo mesmo aos 13 minutos feito a bola entrar na baliza de Keylor Navas por intermédio de Cavani, que no entanto se encontrava em posição irregular, sendo por isso anulado o tento. Logo dois minutos depois, pelo mesmo Edinson Cavani, o Uruguai poderia ter-se colocado na frente, o remate saiu por cima.

Numa altura em que a Costa Rica nem uma resposta conseguia expressar, foi o Uruguai que acabou por tomar a liderança, aos 24 minutos, pelo inevitável Cavani que, na cobrança de um penalti cometido por Júnior Díaz sobre Diego Lugano, faz o 1-0. Apesar da vantagem, o golo pareceu ter motivado mais a Costa Rica do que os uruguaios, e foi dos pés de Joel Campbell que, logo aos 26 minutos, surgiu uma bomba do meio do campo que passou pouco ao lado dos postes à guarda de Muslera.

Nos 20 minutos que se seguiram até ao intervalo verificou-se pouca produção de jogo, com ambas as equipas a praticarem um futebol atabalhoado em que o último passe teimava em não ir na direcção certa. Sempre de bola parada ou de longa distância foi a Costa Rica quem mais perigo criou, tendo mesmo estado mais perto do empate do que propriamente o Uruguai do 2-0.

2ª Parte

O último tempo do jogo teve uma história bastante diferente do 1º. Apesar do início, tal como no fim do primeiro tempo, algo desconcertado, logo aos 50 minutos a Costa Rica ameaça o empate pela primeira vez como resultado da cobrança de um livre. Apenas 4 minutos depois, em contra-ataque, os costa-riquenhos conseguem uma jogada em velocidade pela ala direita de onde sai um cruzamento que encontra Joel Campbell na grande área. O jovem do Arsenal, face ao défice de jogadores uruguaios na zona, não teve dificuldade em finalizar, estava feito o 1-1.

Apenas três minutos depois, e mais uma vez de bola parada, por intermédio de Óscar Duarte, que cabeceou para a baliza, o Uruguai faz a cambalhota no marcador. O Uruguai viu-se então em desvantagem e por isso obrigado a correr atrás do prejuízo, o que deixava ainda mais espaço aberto para os velocistas costa riquenhos aproveitarem os contra-ataques. Descontente com a situação, o técnico Óscar Tabárez colocou em campo Nicolas Lodeiro e Álvaro González para os lugares de Walter Gargano e Diego Forlán, dando assim maior consistência ao meio campo, o que os fez começar a levar a bola até à área de Navas em condições jogáveis. Numa fase em que a bola ia de baliza a baliza a grande velocidade, destacava-se na Costa Rica o excelente sentido de golo dos atletas que, sempre que viam caminho aberto não hesitavam em disparar, criando sempre grande perigo. Pelo lado contrário, a seleção Celeste conseguia fazer entrar a bola na grande área da Costa Rica com mais e melhor intenção, sendo que as jogadas acabavam sempre por se perder por falta de coordenação entre os médios mais ofensivos e os avançados.

O jovem Joel Campbell acabou mesmo por ser o melhor atleta em campo.

O jovem Joel Campbell acabou mesmo por ser o melhor atleta em campo.

Quando o jogo parecia já acabado, sem que nada o fizesse prever, numa perda de bola incompreensível do meio campo do Uruguai, foi mais uma vez a Costa Rica, que parecia até já acabada, voltou a chegar ao golo. A bola chegou aos pés de Joel Campbell que, com um passe longo fez a bola chegar ao recém entrado, Marco Ureña que por sua vez, frente a Fernando Muslera, manteve o sangue frio e finalizou com qualidade. Passavam-se os 84 minutos.

Até ao fim do jogo tempo ainda para pontapé completamente despropositado por parte de Maxi Rodríguez nas pernas de Joel Campbell que acabou por valer ao lateral direito, do Benfica e da Seleção Uruguaia, o vermelho directo, deixando os seus companheiros a jogar com 10 no último minuto do tempo de compensação.

Conclusão

No geral, este foi um grande jogo de futebol, com um resultado imprevisível mas nem por isso desmerecido. Depois de uma primeira parte algo tímida a Costa Rica ganhou coragem para uns 2ºs 45 minutos de alto nível que lhes valeram os três golos marcados e a reviravolta no resultado. Os Ticos sobem assim, ainda que de forma provisória, ao 1º posto do Grupo D deste Mundial 2014, enquanto que o Uruguai cai para a 4ª posição deixando os seus adeptos perplexos e à espera de uma reação a esta derrota já na próxima partida, a 19 de Junho diante da Inglaterra.

Outros Artigos Recomendados

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *