Última Hora

• Nenhum artigo encontrado
Diego Costa Spanish

Diego Costa, o Espanhol Brasileiro

Uma das mais polémicas convocatórias para este Mundial’14 foi a de Diego da Silva Costa, nascido na cidade de Lagarto no estado brasileiro do Sergipe que jogará neste Campeonato do Mundo nos palcos da sua terra natal ao serviço da Seleção Espanhola de Futebol.

Tendo dado os primeiros pontapés na bola ainda no Brasil, em 2006, com 18 anos Diego Costa viajou para a Europa para representar o Sporting de Braga. Depois de uma primeira temporada dividida entre o Braga e Penafiel, a quem foi emprestado, em 2007 ele mudou-se para Espanha onde começou por vestir as camisolas do Celta de Vigo, do Albacete e do Valladolid, sempre por empréstimo do Atlético de Madrid que o fez vestir a sua camisola pela primeira vez na temporada 2010/11. Nesta época fez mesmo 39 jogos ao serviço dos Colchoneros, tendo no entanto marcado apenas 8 golos. No início da temporada 2011/12, que prometia para o jogador, este sofre um lesão, uma ruptura do ligamento cruzado anterior e ainda do menisco, o que o fez parar durante toda a primeira metade da época. Em Janeiro, já em treinos, acabou por ser emprestado ao Rayo Vallecano onde disputou apenas 16 jogos tendo marcado por 10 vezes.

Estes números motivaram então a sua permanência no Atlético de Madrid, e logo na temporada 2012/13 Diego Costa correspondeu às expectativas e apontou 20 golos em 44 partidas dos madrilenos. É também como resultado destas boas prestações que a 5 de Março de 2013 Costa acaba por ser convocado para a Seleção Brasileira por parte de Luiz Felipe Scolari que o utiliza nos amigáveis diante da Itália e da Rússia, ambos terminados em empate. Pouco mais tarde Diego Costa completou os 5 anos de estadia em Espanha, o que lhes concedeu a nacionalidade espanhola por residência. Assim a Federação Espanhola de Futebol de imediato questionou a FIFA quanto à ilegibilidade do atleta pela Espanha, o que lhes foi concedido. Tudo isto, conjunto ainda com a vontade expressa de Diego em vestir a camisola Roja motivou que a Confederação Brasileira de Futebol o declarasse “persona non grata” para a equipa e jogadores brasileiros.

Finalmente a 5 de Março de 2014 Diego Costa acabou por se estrear com a camisola espanhola num amigável diante da Itália, jogado no Estádio Vicente Calderón, que terminou com a vitória da equipa da casa por 1-0.

Já na recente temporada 2013/14 Diego Costa foi a figura maior do Atlético de Madrid tendo marcado 36 golos em 52 jogos ao longo da época, números estes fulcrais quer para a conquista dos Colchoneros da Liga BBVA quer para a presença na final da Liga dos Campeões, onde Diego foi substituído aos 9 minutos a cargo com problemas físicos. Mesmo a cargo com esta lesão foi colocado na lista provisória de jogadores espanhóis a levar ao Brasil e mesmo sem jogar contra a Bolívia no dia 30 de Maio, a 31 do mesmo mês acabou por ver o seu nome na lista dos 23 que viajaram para Curitiba, tendo já jogado o amigável de preparação frente a El Salvador que aconteceu a 7 de Junho.

Diego Costa brasil

Diego Costa em cena pelo Brasil a 5 de Março de 2013.

A questão agora passa por saber se a hostilidade, que será uma certeza por parte dos adeptos brasileiros, afectará ou não as prestações do avançado que é tido como uma das grandes figuras do ataque espanhol neste Campeonato do Mundo. Por esta situação passou já Marcos Senna, médio espanhol de 37 anos, actualmente ao serviço do New York Cosmos, que nasceu em São Paulo, no Brasil, e acabou internacional pela Espanha em 2006, no mesmo ano em que recebeu a dupla nacionalidade. Pela opinião deste, mesmo depois de ter sido declarado “persona non grata” pela CBF, Diego Costa não deverá enfrentar grandes duelos com o público brasileiro, defende Senna que acha que a população fará a festa pelo futebol praticado e não por todos os motivos externos ao jogo que aqui também se debatem. Esta opinião de Marcos Senna é ainda corroborada pela sua opinião de que Diego Costa detém um grande personalidade e de que estará apenas interessado em utilizar esta prova para demonstrar o grande jogador que é, dando o máximo de si pela Seleção Espanhola de Futebol.

Esta triplice Diego Costa/Espanha/Brasil é então uma das mais caricatas de toda a história dos Mundiais de Futebol visto que é protagonizado por um jogador que renunciou o seu país em prol de outro que representará na mais importante competição de futebol mundial a ter lugar no seu país natal, levantado assim inúmeras questões relacionadas com naturalização de jogadores e a sua utilização em provas desta envergadura.

Teilweise handelt es sich um prekäre beschäftigungsverhältnisse, um nicht klicken Sie auf die Seite zu sagen moderne sklaverei

Outros Artigos Recomendados

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *