Última Hora

• Nenhum artigo encontrado
Estados Unidos da América

Estados Unidos a caminho dos oitavos

Após empatar, no jogo de ontem, com a selecção portuguesa, a Selecção dos Estados Unidos está em boa posição para seguir em frente neste Campeonato do Mundo do nosso descontentamento.

Ao entrar para o jogo, em Manaus, a Selecção de Portugal dependia apenas de si própria, ou seja, bastaria ganhar os dois jogos que faltavam para poder seguir em frente para os oitavos-de-final, provavelmente, na companhia da Selecção da Alemanha. Mas bastaria, era uma maneira muito simplista de colocar a questão.

Afinal, ficou provado que, quando Portugal só depende de si próprio, não chega lá.

Quanto aos Estados Unidos, começam a ser a nossa besta negra. Em 2002, na Coreia do Sul-Japão, foi com os Estados Unidos que começou a nossa desgraça. Começamos a perder por 3 a 0 no primeiro jogo do Mundial, com os norte-americanos, e conseguimos reduzir para 3 a 2. Mas o mal estava feito. A partir daí foi sempre a descer. Ainda houve aquele engano com a Polónia, a quem ganhámos por 4 a 0. Mas depois veio a expulsão de João Pinto por agressão ao árbitro do Coreia do Sul – Portugal, que a selecção portuguesa perderia por 1 a 0 e a faria regressar a casa. Costuma dizer-se que Portugal só lida bem com a pressão, mas o factos parecem desmentir essa máxima e lançar outra, vinda da lei de Murphy: se alguma coisa pode correr mal à Selecção de Portugal, vai correr. Mesmo que no caminho pareça que vai correr tudo bem.

Mas, pronto. O que interessa aqui são os Estados Unidos e, esses, podem lançar as mãos aos céus que, se tudo correr bem, sim, vão continuar em prova.

Os norte-americanos começaram a sua presença no Mundial com uma vitória sobre a forte Selecção do Gana por 2 a 1. Gana que viria a empatar com os alemães e que, agora, está no caminho, estreito, que falta percorrer à selecção nacional. E os Estados Unidos vão defrontar a Alemanha. Basta-lhes um empate para seguirem as duas. Selecções que têm em comum o facto de terem seleccionadores alemães.

A réstia de esperança que ainda fica do lado português e ganês estará sempre dependente do que farão alemães e americanos e, no caso português, com uma goleada à mistura.

Mas tanto a Alemanha como os Estados Unidos fizeram pela vida e, se continuarem pelos oitavos-de-final, pode dizer-se que o mereceram e trabalharam para isso. Clint Dempsey, o avançado norte-americano, autor do segundo golo da sua equipa, lamentou o golo tardio português que fez empatar o jogo, mas afirma estar confiante no apuramento para os oitavos. É que só uma conjugação muito particular de eventos impediria que isso acontecesse. “Ficámos desiludidos por não termos conseguido o apuramento, mas temos quatro pontos e esperamos carimbar a passagem no último jogo.” E não lhe falta razão para a esperança.

Tim Howard

Para Tim Howard, Portugal não incomodou muito

Mas Clint Dempsey vai mais longe e afirma que tiveram azar. Que trabalharam muito e bem, tiveram um bom desempenho, construíram lances para vencer o jogo, mas que no final tiveram azar. Mais afirmou, que “não vencemos mas somámos um ponto e estamos em boa posição.” E tem razão.

Também o guarda-redes Tim Howard, de 35 anos, e jogador do Everton, da Premier League, considera que a sua selecção está perto de ir mais longe no Mundial. E em relação à selecção portuguesa, elogiou Cristiano Ronaldo, e pouco mais.

O guarda-redes ainda disse que “colocámos um pé do outro lado da porta. Ficámos um pouco desiludidos [com o golo português no último momento] mas, de forma realista, temos boas hipóteses de ir mais longe. Estamos optimistas, estamos onde queríamos estar quando começámos esta aventura.”

A terminar, Tim Howard ainda disse que afinal, “Portugal não nos incomodou muito.”

A Selecção dos Estados Unidos da América volta a campo para a terceira jornada da fase inicial para defrontar a Selecção da Alemanha, na próxima Quinta-feira, dia 26 de Junho, no Arena Pernambuco, no Recife. E Jürgen Klinsmann prepara-se para seguir viagem pelo Brasil.

Far writing a paper for college down on state ballots across the country, those and at least a dozen other measures affecting education and hot-button social issues were decided last week by voters

Outros Artigos Recomendados

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *