Última Hora

• Nenhum artigo encontrado
Messi Argentina

Pauliceia: Um minuto na vida de um jogo

A Argentina já está apurada para os oitavos-de-final e, por entre as táticas de Sabella e o seu conservadorismo no que toca a substituições, decidiu-se a ser pragmática nesta fase de grupos e depender, em cada encontro, de um lance de brilhantismo de Lionel Messi. Foi assim que aconteceu no encontro frente à Bósnia-Herzegovina e logo se repetiu frente ao Irão. Já a Alemanha precisou apenas de um segundo jogo para destruir boa parte dos mitos que se construíram em volta da sua goleada frente a Portugal.

Um piscar de olhos de Messi

É quanto basta para colocar a Argentina nos oitavos-de-final. Messi passou ao lado de grande parte do encontro, com o Irão a proteger-se muito bem defensivamente e a fazer tremer uma das grandes equipas do Mundo. Carlos Queiroz bem pode queixar-se de um árbitro que não viu uma grande penalidade evidente a seu favor, mas fez bem em sublinhar que, perante Messi, a maior parte das vezes, mais vale aplaudir e compreender que a injustiça do futebol se constrói em momentos de poesia como este golo.

Destruir mitos

Ouvi dizer que a Alemanha tinha acertado em todos os pontos da sua preparação e que, devido a isso, havia goleado Portugal por quatro a zero. Ouvi também dizer que eram infalíveis, verdadeiras máquinas, sem coração ou estados de alma. Quem diz isso nunca leu um livro de história. Se há nação no mundo que inventou os estados de alma foram os alemães. E ontem, de barriga cheia, entraram lentos frente a um Gana que parecia morto, mas não estava morto. Depois de uma primeira parte marcada pela lentidão, o jogo desabrochou numa partida dividida e com golos, com os ganeses a mostrarem sempre muito bem como utilizar a sua melhor arma (o contra-ataque) e a esconder as suas fragilidades (com um meio-campo e uma linha defensiva recuada, mas agressiva). Talvez exista aqui uma lição para quem quiser aprender.

Uma andorinha não faz a primavera

Um jogo nunca é matéria suficiente para fazer grandes tratados sobre uma equipa. A Nigéria, depois de uma exibição de fragilidade frente ao Irão, foi ontem dona e senhora do jogo com a Bósnia. De qualquer maneira, ficámos a saber que os iranianos também estiveram perto de anular a Argentina, o que, à posteriori, lança uma luz diferente sobre o valor de cada equipa. Agora, quando, ao segundo jogo, uma equipa continua a cair nos mesmos erros – falo da Bósnia-Herzegovina -, buscando uma referência que, na verdade, apenas está lá por direitos adquiridos – Dzeko -, a sorte que tem é sempre merecida. Pena, no entanto, perceber que isso implica perder Pjanic neste campeonato.

Comentadores

A quantidade de jogos e de horas de programação dedicadas ao Mundial levam a que certos comentadores se tornem incapazes de esconder o seu desconhecimento e falta de ideias. Por isso, às vezes, apetece tirar o som da televisão e olhar apenas os jogadores no relvado. Uma boa cura para esse mal, no entanto, é ler José Manuel Ribeiro, na sua página semanal, no jornal O JOGO. Por momentos, esquecemo-nos de tudo aquilo que é lateral e tocamos no osso. Sabe bem.

You can also export the region to an individual audio file https://phonetrackingapps.com/mobistealth that can then be accessed from other projects via the mediabay, which is handy if you’ve just made a great drum loop, for example

Outros Artigos Recomendados

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *