Última Hora

• Nenhum artigo encontrado
Lago Guaíba

Sedes do Mundial – Porto Alegre, território Gaúcho

Porto Alegre, capital do estado do Rio Grande do Sul, a metrópole mais a sul da América Latina, será uma das Sedes do Campeonato de Mundo de Futebol 2014. O Estádio Beira-Rio, com capacidade aproximadamente 50 mil espectadores, foi reformado para poder receber 5 jogos do Mundial (grupos B, E, F, e H), incluindo um dos Oitavos de Final. Também conhecido por “o Gigante”, é a casa do Sport Club Internacional, e foi baptizado com o nome de Estádio José Pinheiro Borda, em homenagem a um português que durante a década de 60 supervisionou as obras de construção e morreu sem o ver terminado.

Em meados do século XVIII, por ordem de D. João V, Rei de Portugal, foram escolhidos 4 mil casais açorianos para povoar o Brasil Meridional. Desses, só 1000 acabaram por fazer a viagem e fixar-se em redor do Lago Guaíba, dando origem ao que viria a ser Porto Alegre. Quando a disputa pelo território entre portugueses e espanhóis terminou começaram a chegar imigrantes de outras proveniências – Alemanha, Itália, Polónia, Escócia, mais tarde de África e da Ásia – e essa diversidade ainda está presente na cultura e tecido social da capital Gaúcha. A confluência das rotas de navegação fez de Porto Alegre o maior entreposto comercial da região; o dinamismo das suas gentes fez dela uma cidade que procurou sempre estar à frente do seu tempo.

Sempre à Frente do Seu Tempo

Hoje, a capital do Rio Grande do Sul é uma cidade modelo. Nos últimos anos foi por três vezes reconhecida pela ONU como a metrópole com melhor qualidade de vida do Brasil e mais de oitenta prémios internacionais elegem-na como uma das melhores para viver, trabalhar, fazer negócios e até estudar. Porto Alegre soube internacionalizar a sua cultura, dinamizar a economia ao ponto de se tornar uma das cidades mais ricas do mundo, proporcionar qualidade de vida. Mas o que verdadeiramente a distingue é o seu modelo democrático de gestão pública. Porto Alegre é sinónimo de orçamento participativo, Fórum Social Mundial e envolvimento dos cidadãos nas causas públicas. E aparece sempre no topo dos rankings pelos melhores motivos: baixa taxa de desemprego, maior índice de alfabetização, maior área arborizada, potencial de crescimento, educação e transportes públicos de qualidade, só para dar alguns exemplos.

Porto Alegre - Lago Guaíba

O Lago Guaíba, em Porto Alegre

O centro histórico de Porto Alegre faz-se entre dois pontos, a Praça da Matriz, centro cívico, político e religioso desde a fundação, e a Rua da Praia, a mais antiga da cidade e que concentra o eixo comercial. Entre um e outro estão o Palácio Piratini, a sede do Governo do Estado, as igrejas barrocas e modernas, os museus, os edifícios classificados, encostados ao imenso lago Guaíba. Porto Alegre é uma cidade que vive muito da rua e dos espaços públicos. Rodeada por colinas – os seus 40 morros – é também famosa pela quantidade de árvores: praticamente uma por cada um dos 1,4 milhões de habitantes, contando apenas ruas, praças e parques. O Parque Farroupilha, ou Redenção, um dos oito parques verdes de Porto Alegre, o mais popular e tradicional, tem 370 mil m2 e para além de 8000 árvores e plantas diversas conta ainda com quiosques, pistas de atletismo, campos de jogos e um auditório. Outro deles, o Parque da Harmonia, de 65 há, tem pista de aeromodelismo, zonas infantis, campos de futebol e vólei e mais de cem pontos para fazer churrasco. Os Gaúchos adoram o seu churrasco!

Ilustres de Porto Alegre

Erico Veríssimo (1905-75), um dos escritores brasileiros mais populares do século passado. Nasceu em Cruz Alta, Rio Grande do Sul, mas foi na capital que passou toda a vida adulta. Foi autor, entre outros, de “Olhai os Lírios do Campo” e “Incidente em Antares”, duas obras que foram depois adaptadas para televisão. O filho, Luís Fernando Veríssimo, nascido em Porto Alegre em 1936, é também escritor – e cartoonista, tradutor, publicitário, guionista, músico – mas o que o tornou mesmo famoso foram as crónicas de humor e sátira de costumes que publicou em jornais e revistas. Também é conhecido pela sua paixão pelo futebol. As primeiras colunas que escreveu foram sobre sobre a fundação do Estádio Beira-Rio e o seu Internacional. Criou personagens como “Ed Mort” e o “Analista do Bagé” que vivem muito para além dos seus escritos. Em 1986 conseguiu convencer a revista Payboy a patrocinar a sua cobertura do Mundial do México, coisa que repetiu em 90, 94, 98, 2008 e 2006, desta vez para jornais mais “respeitáveis”.

Ronaldinho Gaúcho

Ronaldinho Gaúcho, filho da terra

Podemos referir também o pintor e gravador Iberê Camargo, um dos maiores e mais influentes artistas brasileiros do séc. XX. Mais um Rio-Grandense do interior que fez de Porto Alegre a sua casa, para onde veio estudar pintura na Escola de Artes e Ofícios da Cooperativa de Viação Férrea de Santa Maria. A sede da fundação que tem o seu nome é hoje um edifício projectado pelo Arq. Siza Vieira, trabalho que em 2002 lhe valeu o prémio da Bienal de Arquitectura de Veneza.

Também Elis Regina (1945-82), por muitos considerada a melhor cantora brasileira de sempre, e que imortalizou temas como “Águas de Março”, “Madalena”, “O Bêbado e o Equilibrista” ou “Casa no Campo”, entre tantos outros, é Porto-Alegrense.

E se estamos a falar do Campeonato Mundial de Futebol não podemos esquecer Dunga, capitão da selecção brasileira que em 94 ganhou o Mundial e seleccionador da canarinha entre 2006 e 2010. De ascendência alemã e italiana, nasceu Carlos Caetano Bledorn Verri, em Ijuí, Rio Grande do Sul. Actualmente é o treinador do Internacional de Porto Alegre, equipa em que iniciou e terminou a carreira como jogador.

E não podíamos terminar sem falar no maior. O nome diz tudo: Ronaldinho Gaúcho. Só não foi “o fenómeno” porque já outro tinha registado a marca. Começou a carreira no Grémio, outro dos emblemas históricos de Porto Alegre. Na Europa representou clubes como o Paris Saint-Germain e o Milão. Ganhou o prémio de Melhor Jogador da FIFA em duas épocas consecutivas, 2004 e 2005 e uma Liga dos Campeões. Hoje, uma sombra do que foi, alinha no Atlético Mineiro. Mas nos seus tempos áureos, com a camisola do Barcelona e do Brasil, deixou os amantes do futebol rendidos com a subtileza e alegria do seu jogo.

 

Is it worthy of replacing the function within music or do you disapprove

Outros Artigos Recomendados

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *