Última Hora

• Nenhum artigo encontrado
Selecção Inglesa 2014

Seleção de Inglaterra

Os Ingleses inventaram o futebol moderno. Têm, provavelmente, o campeonato mais estimulante do mundo, os adeptos mais fiéis. E contudo, nunca conseguiram passar esse nível de excelência competitiva para os grandes palcos internacionais. Durante muito tempo trataram a modalidade como se fosse uma coisa só deles e não perceberam que o futebol se espalhou pelo mundo e se mestiçou como nenhum outro desporto. A Selecção Inglesa de Futebol conquistou até hoje apenas um Campeonato do Mundo, precisamente aquele de que foram anfitriões. Nunca um Europeu. Mas a cada campanha a esperança volta, mais ou menos assumida. Talvez seja desta. Wayne Rooney também acha.

Tradição e Expectativas

Inglaterra e Escócia são as duas selecções nacionais mais antigas do mundo e jogaram entre si o primeiro desafio de futebol internacional, em 1872. Durante quarenta anos os Ingleses limitaram-se a jogar com as restantes equipas britânicas, Gales, Irlanda e Escócia. As relações iniciais com a FIFA foram pouco amigáveis e por essa razão só disputaram pela primeira vez o Campeonato do Mundo de Futebol em 1950. A estreia não foi brilhante e acabaram eliminados pelos Estados Unidos logo na primeira ronda. Quatro anos depois, no Mundial da Suíça, chegaram aos quarto-de-final onde foram derrotados pelo Uruguai. Até 1966 as prestações sucederam-se na mesma toada. A Federação Inglesa de Futebol comemorava o centenário e nada podia estragar a festa. Era ainda um Mundial disputado a dezasseis, com dez equipas europeias, cinco americanas e uma asiática. Portugal e a Coreia do Norte faziam a sua primeira participação. E abrilhantado por estrelas como Bobby Moore, Bobby Charlton, Eusébio, Lev Yashin e o muito jovem Franz Bekenbauer. Foi um torneio que reuniu extraordinários talentos e jogos dramáticos disputados até aos últimos minutos. Para chegar à final tão desejada a Inglaterra venceu o seu grupo sem sofrer qualquer derrota. Nos quartos-de-final bateu a Argentina, com um único tento de Geoff Hurst, e nas meias foi a vez de Portugal, a equipa sensação do torneio. A meia final, que devia ter sido jogada em Liverpool, onde a equipa portuguesa tinha vencido a Coreia, foi transferida à última hora para Wembley por pressão da Inglaterra. Sir Bobby Charlton tornou-se herói nacional ao marcar os dois golos que deram o acesso à final. Em Wembley, 98 mil adeptos fervorosos esperavam assistir à consagração de uma geração única de jogadores ingleses diante da República Federal Alemã.

Foram os Germânicos a inaugurar o marcador aos 12′ por Helmut Heller mas o incontornável Hurst fez a igualdade quatro minutos depois,

The Football Association

The Football Association nasceu em 1863

resultado que se manteve até ao intervalo. A segunda parte foi uma batalha táctica equilibrada, bola cá, bola lá, até que a 12 minutos do fim Martin Peters colocou a equipa da casa à beira da vitória. Aos 89′, para desespero das bancadas, o tento de Wolfgang Weber levou a primeira final de um Campeonato do Mundo para prolongamento. Mas o dramatismo não acabou aqui. Geoff Hurst marca pela segunda vez, o que viria a ser um dos golos mais polémicos de sempre. O remate atingiu a trave e bateu depois sobre a linha. Até hoje se discute se a bola entrou ou não. Certo é que o golo foi validado e acabou por decidir o desfecho da final. É verdade que Hurst confirmou o triunfo com um hat-trick ao cair do pano mas nessa altura já a Alemanha tinha sido forçada a arriscar, dando-lhe mais espaço.

Depois do momento cimeiro a selecção Inglesa voltou à mediania de antes, tantos nos Mundiais como nos Europeus. Excepção à regra foi o quarto lugar conquistado no Itália 90 da equipa orientada por Bobby Robson. Nas meias-finais caíram às mãos velhos rivais da Alemanha Federal, que nesse ano viriam a sagrar-se Campeões Mundiais. No jogo que decidiu os terceiros e quartos lugares alinharam, por exemplo, Roberto Baggio e Carlo Ancelotti pela Itália, Peter Shilton e Gary Lineker pelo Inglaterra. A selecção Inglesa falhou por 3 vezes a qualificação, as duas edições consecutivas de 74 e 78, assim como o Mundial dos Estados Unidos de 94.

Até ao Outro Lado do Atlântico

O caminho para o Mundial do Brasil fez-se sem percalços e sem derrotas. A Inglaterra venceu o Grupo H – Moldávia, Montenegro, Polónia, Ucrânia e San Marino – com 22 pontos. Em 10 jogos acumulou 6 vitórias, todas em casa, 4 empates, 4 golos contra e 31 a favor. San Marino sofreu 13 sem reagir, 5 em Londres e 8 em Serravalle. Joe Hart foi o jogador mais utilizado nesta qualificação, cumprindo integralmente todos os jogos, seguido de Gerrard e Jagielka, com 670 e 630 minutos respectivamente. Os números reflectem a importância do Capitão no grupo e a utilização de uma dupla de centrais preferencial: Phil Jagielka e Gary Cahill.

Agora que viagem para o Brasil está marcada Roy Hodgson tem algumas decisões difíceis a tomar. O percurso foi marcado por lesões prolongadas de alguns titulares e o treinador tem até à Primavera para avaliar se jogadores como Walcott, Oxlade-Chamberlain ou mesmo Andy Carroll, que estão agora a regressar à competição, estarão em condições de seguir na comitiva. Na busca de alternativas, Hodgson introduziu sangue novo nas convocatórias e agora terá que dosear a veterania com os talentos emergentes, com pouca ou nenhuma experiência de grandes confrontos internacionais.

Treinador

Roy Hodgson foi nomeado seleccionador Inglês a 1 de Maio de 2012, substituindo o demissionário Fabio Capello. O Italiano tinha assegurado a

Roy Hodgson

Roy Hodgson quer conduzir os ingleses à glória

qualificação e Hodgson assumiu a equipa em plena rampa de lançamento para o Euro da Polónia e Ucrânia. Num grupo que incluía a França, Suécia e Ucrânia, os Ingleses seguiram em frente com duas vitórias e um empate. Foram eliminados pela Itália, na fase seguinte, nos penaltis.

Roy Hodgson tem currículo como jogador e treinador. Além do Inglês nativo fala Sueco, Norueguês, Alemão e Italiano fluentemente. Foi um defesa razoável nas camadas jovens do Crystal Palace mas nunca conseguiu dar o salto para a equipa principal. Jogou alguns anos nas ligas amadoras. Aos 23 concluiu o curso de treinadores e juntou-se ao Maidstone United, onde além de jogador era também adjunto de Bob Houghton. Aliás, o início da carreira de treinador está estreitamente ligado à do amigo. Estiveram juntos no Maidstone, Stranraer e Bristol City.

Em 74 Bob mudou-se para o Malmo, na Suécia, e dois anos mais tarde conseguiu colocar Roy no Halmstad. Os dois transformaram o futebol sueco e diz-se mesmo que foram os primeiros a introduzir por lá a defesa à zona. Na altura os suecos deram a Hodgson a alcunha de English Roy. Seguiram-se experiências na Suíça, primeiro no Neuchâtel Xamax e depois na selecção nacional. Em 1992, quando assumiu a liderança da equipa, a Suíça já não chegava à fase final de um torneio internacional há 26 anos, desde o Mundial de Inglaterra de 66. Com Hodgson no comando qualificaram-se para o Mundial de 94 e chegaram aos oitavos-de-final onde perderam 3-0 com a Espanha. Antes de sair o Inglês garantiu com facilidade a qualificação para o Europeu seguinte. Como seleccionador passou ainda pelos Emirados Árabes e Finlândia. Em 2007 voltou a Inglaterra para treinar um Fulham que lutava no fundo da tabela. Dois anos mais tarde os Cottagers conquistavam o 7º lugar no Campeonato Inglês, a melhor classificação de sempre, e o direito a disputar a Liga Europa. Os homens de Hodgson aproveitaram a oportunidade para chegar à sua primeira final europeia onde acabaram derrotados pelo Atlético de Madrid de Diego Forlán. Ainda passou pelo Liverpool e West Bromiwich mas foi o sucesso das temporadas no Fulham que fez dele um candidato ao lugar de Seleccionador Inglês.

Prováveis Convocados

Guarda-redes: Joe Hart, John Ruddy, Fraser Forster;

Defesas: Ashley Cole, Leighton Baines, Glen Johnson, Kyle Walker, Phil Jagielka, Gary Cahill, Phil Jones, Chris Smalling;

Médios: Tom Cleverly, Steven Gerrard, Frank Lampard, Michael Carrick, Jack Wilshere, Adam Lallana, Andros Townsend, James Milner;

Avançados: Wayne Rooney, Daniel Sturridge, Danny Welbeck, Theo Walcott.

As Estrelas

Comecemos logo pela estrela: Wayne Rooney. O bad boy do Manchester United e da selecção inglesa. É um rufia. Mas canaliza toda a sua energia como matador. É um homem golo.

E numa selecção que, não tendo grandes pergaminhos, mete algum respeito, e é cravejada de alguns grandes jogadores de craveira Mundial, como

Wayne Rooney

Wayne Rooney é ainda a grande estrela da selecção inglesa

Ashley Cole, Steven Gerrard, Frank Lampard e Theo Walcott, jogadores de uma das mais competitivas ligas da actualidade, a estrela é, como não podia deixar de ser, Wayne Rooney.

Wayne Rooney é o craque desta formação. Estreou-se na selecção principal em 2003, com 17 anos, na altura o mais jovem jogador a camisola dos de Inglaterra. (Entretanto foi suplantado por Walcott). Continua a ser o mais novo marcador. Representou o país em dois Europeus e dois Mundiais, em todos eles com participações muito aquém das expectativas. A verdade é que Rooney nunca conseguiu na selecção o impacto que tem no Manchester United. Em 2004 chegou a Portugal com aura de salvador da pátria e saiu com o meta-tarso partido. Dois anos mais tarde, mais uma vez com problemas nos pés, está num fraco momento de forma. Para ele, e para a Inglaterra, o Mundial da Alemanha termina nos quartos-de-final, frente a Portugal, com um cartão vermelho. Uma lesão no tornozelo impediu-o de dar o contributo no jogo frente à Croácia que afastou os Ingleses da fase final do Euro 2008. A forma física que demonstrou na África do Sul comprometeu seriamente o desempenho da equipa. Os problemas físicos não explicam tudo, há uma pitada de infortúnio à mistura. Mas nem por isso ele desiste. Arriscando atrair sobre si todos os raios Rooney desvaloriza os rankings, as exibições, e diz que ele e os companheiros vão ao Brasil para tentar vencer. Que venha então essa participação decisiva. O futebol agradece.

Equipamentos

Inglaterra A 2014 Inglaterra B 2014

For example, brian can glide once he has on a coat, but stewie can double jump when he gets his stealth fruitful site gear on

Outros Artigos Recomendados

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *