Última Hora

• Nenhum artigo encontrado
Selecção Colombiana de Futebol

Selecção da Colômbia

A selecção de futebol da Colômbia não pertence às selecções históricas que foram cimentando o Campeonato do Mundo de Futebol, nem apresenta um historial importante nas suas, poucas, participações, no entanto, tem sido uma das selecções a ter em conta pois, se por um lado não têm ido muito longe, por outro têm dificultado a vida a outras selecções que se julgariam muito superiores.

Foi em 1962, no Campeonato do Mundo no Chile, que a Colômbia fez a sua primeira aparição no grande palco do futebol Mundial. E não foi uma grande aparição. De então para cá, a selecção colombiana só tem melhorado. Pouco, mas tem.

Aliás, pode, e deve, referir-se que na sua zona de acção mais imediata, a América do Sul, a selecção colombiana já conquistou o seu lugar na História, com a vitória da Copa América, em 2001, sendo, também, finalista vencido em 1975, e tendo, ainda, obtido mais três terceiros lugares e um quarto lugar. Conquistou também três Medalhas de Ouro e seis de Prata, nos Jogos Bolivarianos. E ainda uma Medalha de Prata e outra de Bronze nos Jogos Pan-Americanos. Também ganhou uma Medalha de Ouro, uma de Prata e outra de Bronze nos Jogos Sul-Americanos.

História da Selecção

A história da selecção colombiana começou, mundialmente, em 1962, quando conseguiu a qualificação para o Campeonato Mundial do Chile. Não foi uma grande participação, mas foi a primeira. Calhou no Grupo 1, juntamente com a União Soviética, a Jugoslávia e o Uruguai. Não fez melhor que um empate a 4 golos com a União Soviética, primeira do grupo, mas que seria eliminada, nos quartos-de-final, pelo Chile. Os outros dois jogos resultaram em outras tantas derrotas: 2 a 1 com o Uruguai e 5 a 0 com a Jugoslávia. Mas serviu, essencialmente, para aprender.

Federación Colombiana de Fútbol

A Federación Colombiana de Fútbol nasceu em 1924

Mas deve ter aprendido pouco pois esteve 30 anos afastada das fases finais dos Campeonatos do Mundo. Voltaria em 1990, no Mundial de Itália, para se comportar um pouco melhor. Uma derrota, por 1 a 0, com a Jugoslávia, um empate, por 1 a 1, com a Alemanha Ocidental e uma vitória, por 2 a 0, com os Emirados Árabes Unidos, foi o bastante para passar à fase seguinte, os oitavos-de-final, onde, aí sim, seria eliminada pela selecção dos Camarões, por 2 a 1, após prolongamento. Mas foi um bom Mundial. Na segunda participação, a selecção colombiana chegaria aos oitavos-de-final. Muito mais que algumas selecções, com muito mais participações nunca almejaram.

Repete a qualificação em 1994, no Campeonato do Mundo dos Estados Unidos, mas aí, iria para casa mais cedo. Seria a última classificada do Grupo A, da fase inicial, com duas derrotas, por 3 a 1, com a Roménia e, por 2 a 1, com os Estados Unidos, tendo, contudo, conseguido uma vitória, por 2 a 0, à Suíça. Mas foi insuficiente para continuar.

Voltaria quatro anos mais tarde, em 1998, no Campeonato do Mundo da França, para repetir o mesmo: duas derrotas, por 1 a 0, com a Roménia, de novo, e por 2 a 0, com a Inglaterra, tendo conseguido vencer a Tunísia por 1 a 0. Mas, outra vez, insuficiente. E, mais uma vez, a selecção da Colômbia a voltar cedo para casa. E desta vez, para lá ficar durante muito tempo. Nunca mais voltou aos Campeonatos do Mundo de Futebol.

Regressou agora, ao Campeonato do Mundo de 2014, no Brasil, e como Cabeça de Série. Abram alas para a Colômbia, que promete muitas surpresas. Pelo menos, a fazer fá na FIFA.

Treinador

José Pékerman, é o actual seleccionador da Colômbia.

Argentino de nascimento, começou como jogador de futebol na Argentina e, depois, na Colômbia.

José Pékerman

José Pékerman conseguiu o apuramento classificando-se em segundo lugar

Como treinador de futebol, começou nas camadas mais jovens na Argentina, onde, à frente da selecção argentina de sub-20, ganharia três Mundiais. Depois de uma breve passagem pela equipa de juniores do Colo-Colo, do Chile, e de duas equipas mexicanas, José Pékerman foi convidado para dirigir a selecção colombiana em 2012, para tentar atingir o objectivo de se qualificar para o Campeonato do Mundo de 2014, o que conseguiria, ficando em segundo lugar na fase sul-americana de qualificação.

Em 16 jogos da qualificação, a Colômbia de José Pékerman, conseguiu 9 vitórias, 3 empates e 4 derrotas. Destes jogos há que destacar as vitórias fora frente ao Chile, por 3 a 1, e ao Paraguai, por 2 a 1, e o empate na Argentina por 0 a 0. Em casa, destaca-se a goleada à Bolívia por 5 a 0. E parece que esta Colômbia de José Pékerman está preparada para fazer surpresas no próximo Mundial.

Prováveis Convocados

Guarda-redes – David Ospina, Faryd Mondragón, Camilo Vargas;

Defesas – Mario Yepes, Cristian Zapata, Pablo Armero, Santiago Arias, Luís Peréa, Stefan Medina, Aquivaldo Mosquera;

Médios – Fredy Guarín, Macnelly Torres, Carlos Sánchez, Abel Aguilar, Juan Quintero, Alexander Mejía, Aldo Ramirez;

Avançados – Radamel Falcao, Jackson Martínez, James Rodriguez, Carlos Bacca, Teófilo Gutiérrez, Carlos Quintero, Luis Muriel.

As Estrelas

Numa equipa recheada de grandes jogadores distribuídos, um pouco, por todo o lado, com especial incidência na Europa, onde, principalmente, avançados como Jackson Martínez, no F.C. Porto, ou James Rodrigues, no Mónaco, fazem as delícias dos adeptos, a grande estrela é, sem dúvida, Radamel Falcao, jogador do Mónaco.

Radamel Falcao

Radamel Falcao é a lança da selecção colombiana

Eleito em 2012 pela FIFA, o quarto melhor jogador do Mundo, logo depois de Messi, Cristiano Ronaldo e Iniesta, o avançado colombiano é uma estrela onde quer que jogue.

Começou a sua vida profissional no River Plate da Argentina, de onde se transferiu para o Futebol Clube do Porto, que lhe deu grande visibilidade na Europa, o que o levou a ser cobiçado pelo Atlético de Madrid, ao serviço do qual marcou um hat-trick na Super-Taça Europeia contra o Chelsea, e lhe abriu as portas da fama e da fortuna.

Veio depois o Mónaco, para onde se transferiu em 2013, na mais cara transferência de sempre do campeonato francês, mas que o arredou um pouco da montra mediática por o Mónaco não estar nas competições Europeias. Mas continua o mesmo craque de sempre, como o tem demonstrado no campeonato de França. Facilidade de elevação, bom remate e a capacidade de estar sempre onde a bola o procura. Como só os grandes craques do futebol.

Espera-se de Falcao um grande Mundial, ao nível do que vem cimentando, nos últimos anos, nas equipas por onde tem passado.

Equipamentos

Colômbia A 2014 Colômbia B 2014

Please let me know and where can I have the click for reference product

Outros Artigos Recomendados

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *