Última Hora

• Nenhum artigo encontrado
Selecção da Coreia do Sul

Selecção da Coreia do Sul

A Coreia do Sul surgiu como país em 1948. Até aí, a península onde fica situada formava um só país, a Coreia. Depois passou a haver duas: a Coreia do Norte e a Coreia do Sul. Ou, mais concretamente, a República Democrática Popular da Coreia e a República da Coreia.

Foi, também em 1948, que as duas Coreias se tornaram filiadas da FIFA.

É, juntamente com o Japão, seu companheiro na realização do Campeonato do Mundo de 2002, uma das melhores selecções de futebol asiáticas.

Durante o período em que a Coreia foi um só país, nunca disputou um Campeonato do Mundo. Após a divisão da Coreia em Norte e Sul, ambas as Coreias já participaram em vários Campeonatos do Mundo de Futebol. A Coreia do Sul, inclusivamente, tem sido um participante assíduo desde o Campeonato do Mundo de 1986, no México. Mas já antes por lá tinha andado.

História da Selecção

A Korea Football Association teve uma primeira vida em 1928, quando a península da Coreia era um só país. Depois da cisão, a Korea Football Association ganhou uma segunda vida como a representante do futebol sul-coreano.

O primeiro Campeonato do Mundo em que participou foi em 1954, na Suíça. E não foi uma participação brilhante, tendo ficado pela primeira fase do Campeonato. Ficou no Grupo 2, jogou dois jogos e perdeu-os. Com duas goleadas. O primeiro, com a Hungria, perdeu por 9 a 0. O segundo, com a Turquia, perdeu por 7 a 0. Mas deve dizer-se que, nesse mesmo Mundial, nesse mesmo grupo, os outros jogos foram também de goleadas: a Alemanha Ocidental venceu a Turquia por 4 a 1 e depois, num segundo jogo de play-off, venceu a mesma Turquia por 7 a 2, e a mesma Alemanha Ocidental, que ganharia o Mundial com uma vitória por 3 a 2 frente à Hungria, perderia com a mesma Hungria, na primeira fase, por 8 a 3. A Coreia do Sul sofrera 16 golos e não marcara nenhum.

Korea Football Association

A Korea Football Association nasceu em 1928, e renasceu em 1948

Depois desta primeira experiência, a Coreia do Sul não mais voltaria a uma fase final de um Campeonato do Mundo até 1986, no México, onde voltou para ficar, até aos dias de hoje. E se numa primeira fase as suas participações não foram além da simples participação, sem grandes resultados, a partir de certa altura a Coreia do Sul passou a ser uma selecção a ter em conta.

Ora, em 1982, a Coreia do Sul, tal como em 1954, ficou-se pela fase de grupos, embora desta vez tenha conseguido um empate, marcou golos e não sofreu goleadas. Perdeu por 3 a 1 com a Argentina e por 3 a 2 com a Itália. E empatou 1 a 1 com a Bulgária. Voltou para casa, mas consciente do salto que dera da Suíça para o México.

Voltaria no Mundial seguinte, em 1990, em Itália. Teve azar. Não voltaria às goleadas, marcaria um golo, mas estaria num grupo da morte: Espanha, com quem perderia por 3 a 1, Bélgica, com quem perderia por 2 a 0, e Uruguai, com quem perderia por 1 a 0. É evidente que a selecção sul-coreana estava a subir alguns degraus, mas a sorte do sorteio não esteve com ela. E voltou, de novo, cedo para casa.

Em 1994 conseguia a qualificação para o Campeonato do Mundo dos Estados Unidos. De novo a história a repetir-se, com a não passagem da fase de grupos, mas com a consciência de dever cumprido. Num grupo que contava com a Alemanha e a Espanha, seria muito difícil seguir em frente. Mas a Coreia do Sul não ficaria em último lugar no grupo, mas sim em terceiro, sofreria 5 golos, mas marcaria 4, não teria nenhuma vitória, mas conseguiria dois empates. Perderia por 3 a 2 com a Alemanha, mas empataria por 2 a 2 com a Espanha e por 0 a 0 com a Bolívia. De novo de volta para casa depois da fase inicial. Mas podia ir com um sorriso na cara. As coisas estavam a começar a endireitar-se.

Chega o Campeonato do Mundo de 1998, em França, e parece que se retrocede. De novo a selecção sul-coreana a ficar na fase de grupos. Derrotas pesadas com a Holanda, por 5 a 0, e com o México, por 3 a 1. Salvou-se o empate a 1 golo com a Bélgica.

O Mundial em Casa

Mas em 2002, a Coreia do Sul seria a anfitriã do Campeonato do Mundo, juntamente com o Japão. Primeira classificada no Grupo D, na companhia dos Estados Unidos, Portugal e Polónia. Ganharia por 2 a 0 à Polónia e por 1 a 0 a Portugal, e empataria a 1 golo com os Estados Unidos. E, pela primeira vez na sua história, a Coreia do Sul estava nos oitavos-de-final. E aí, cruzou-se com a Itália e, após prolongamento, mandaria os italianos para casa, ganhando por 2 a 1. Novamente se faria história. A Coreia do Sul estava nos quartos-de-final. E aí, chegou a Espanha. 0 a 0 durante o tempo regulamentar. Vieram os penaltis. E a Coreia do Sul acabaria por derrotar a Espanha por 5 a 3. Seria a loucura por toda a Coreia do Sul. Pela primeira vez na sua história, outra vez, a selecção sul-coreana estava nas meias-finais. Mas aí já era demais. Cruzou-se com a Alemanha que ganharia o jogo por 1 a 0. E talvez pelo peso da derrota, acabariam, também, por perder o jogo de terceiro e quarto classificado com a Turquia por 3 a 2. Mas a história estava feita. A Coreia do Sul ficaria em quarto-lugar no Campeonato do Mundo de 2002, em sua casa.

Coreia do Sul 0 - 0 Espanha 2002

Em 2002, depois de 0 a 0 com a Espanha, a Coreia do Sul passou às meias-finais

Quatro anos mais tarde, no Campeonato do Mundo de 2006, na Alemanha, a Coreia do Sul voltaria a qualificar-se. Mas talvez cansada do esforço feito no seu Mundial, a Coreia do Sul voltou a ficar-se pela fase de grupos. Uma vitória, um empate e uma derrota. Vitória sobre o Togo, por 2 a 1, empate com a França por 1 a 1 e derrota com a Suíça por 2 a 0. Terceira no grupo e regresso a casa.

Regresso, também, no Campeonato seguinte, em 2010, na África do Sul. E na companhia da sua outra metade. É o Mundial em que estão as duas Coreias, a do Sul e a do Norte. Mas não se cruzam. E têm sorte distintas. A Coreia do Norte em último lugar com três derrotas em três jogos. E a Coreia do Sul de regresso às vitórias. A mesma configuração que no Mundial anterior: uma vitória, um empate e uma derrota. Mas agora a chegar para passar aos oitavos-de-final. Vitória por 2 a 0 com a selecção grega, um empate a 2 com a selecção nigeriana e uma derrota, por 4 a 1, com a selecção argentina. E, nos oitavos-de-final, o encontro com o Uruguai e a derrota por 2 a 1. Uruguai que chegaria às meias-finais.

Quatro anos volvidos e aí temos, de novo, a selecção sul-coreana qualificada para o Campeonato do Mundo de 2014, no Brasil. O que sairá daqui?

As Outras Vidas

Mas nem só de Campeonatos do Mundo vive a selecção sul-coreana.

Venceu por duas vezes a Taça da Ásia e foi finalista vencido por três vezes e, por outras três vezes, ficou em terceiro lugar. Ganhou por uma vez a Taça das Nações Afro-Asiáticas. Foi três vezes Medalha de Ouro, três vezes Medalha de Prata e outras duas vezes Medalha de Bronze, nos Jogos Asiáticos. E ganhou uma Medalha de Bronze nos Jogos Olímpicos. É obra.

Treinador

Hong Myung-bo

Capitão da selecção em 2002, Hong Myung-bo é seleccionador em 2014

Hong Myung-bo, o actual seleccionador da Coreia do Sul, foi um antigo jogador sul-coreano, capitão da selecção, que participou em quatro Campeonatos do Mundo consecutivos, jogou mais de 100 jogos pela selecção, e se tornou uma lenda no futebol coreano. Sucedeu a Choi Kang-hee, que tinha feito a campanha de qualificação mas que acabou por pedir a demissão, não querendo ir ao Campeonato do Mundo e tendo voltado à equipa do seu coração, o Jeonbuk Hyundai Motors, onde já estivera entre 2005 e 2011, de onde saiu para comandar a selecção sul-coreana rumo ao Brasil 2014.

O actual treinador, Hong Myung-bo, que tem uma, ainda, curta carreira como treinador, tem já no seu currículo uma Medalha de Bronze olímpico, conquistado nos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012, e que constitui a primeira Medalha Olímpica do futebol da Coreia do Sul. Dois anos antes já tinha conquistado o terceiro lugar nos Jogos Asiáticos.

Antigo defesa, que muito, e bem, ajudou a construir a selecção que chegou ao quarto lugar no Campeonato do Mundo de 2002, na Coreia do Sul-Japão, tem agora a oportunidade de, como seleccionador, poder continuar a escrever a história do futebol do seu país.

Mas no fundo, Hong Myung-bo é um treinador do qual não se sabe muito mais e, por isso, não se sabe o que esperar da sua participação na fase final do Campeonato do Mundo de 2014.

Prováveis Convocados

Guarda-redes – Jung Sung-ryong, Kim Young-kwang, Lee Bum-young;

Defesas – Jang Hyun-soo, Kim Kee-hee, Kim Chang-soo, Kim Young-gwon, Kwak Tae-hwi, Park Joo-ho, Jung In-hwan, Shin Kwang-hoon;

Médios – Lee Myung-joo, Kim Chi-woo, Park Jong-woo, Kim Bo-kyung, Han Kook-young, Lee Seung-ki, Lee Chung-young;

Avançados – Son Heung-min, Ji Dong-won, Kim Shin-wook, Lee Dong-gook, Lee Keun-ho.

As Estrelas

Numa selecção em que o grosso dos seus jogadores jogam em equipas coreanas, os que saem são, por ventura, os melhores, os mais mediáticos e os mais conhecidos.

Son Heung-min

Son Heung-min é a jovem estrela desta equipa

Há alguns jogadores a jogarem a países da região, como o Japão e a China. Mas os melhores vêm até à Europa, a clubes como o Bayer Leverkusen, o Bolton ou o Sunderland.

Destes, há dois jogadores que se destacam de todos os outros. Um deles é o médio Lee Chung-young, que joga em Inglaterra, no Bolton. O outro, e talvez, na actualidade, o mais importante jogador sul-coreano, é Son Heung-min, que joga na liga alemã, no Bayer Leverkusen.

Son Heung-min, que foi a mais cara das contratações do Bayer, que pagou 10 milhões de euros ao Hamburgo, é um jogador que joga bem com os dois pés, e faz várias posições na frente de ataque, é considerado um rematador letal que, frente à baliza não perdoa e raramente falha. É, além do mais, um jogador muito rápido, de raciocínio imediato, que faz circular a bola muito facilmente.

Equipamentos

Coreia do Sul A 2014 Coreia do Sul B 2014

To keep up with inflation, the national head start www.essaydragon.com association, an advocacy group based in alexandria, va

Outros Artigos Recomendados

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *