Última Hora

• Nenhum artigo encontrado
Russia Coreia do Sul

Sem ideias para vencer

A Coreia do Sul e a Rússia empataram hoje, na Arena Pantanal, por 1-1, num jogo onde um primeiro período de alguma passividade deu lugar a uma segunda parte com mais oportunidades, golos e desequilíbrios, sem que isso demonstrasse conjuntos com muitas ideias para vencer.

Depois da Bélgica ter ganho na partida de estreia deste grupo, Rússia e Coreia do Sul mostraram mais medo de perder do que vontade de ganhar, mantendo-se tudo em aberto nas contas do Grupo H. O equilíbrio entre as duas equipas foi a nota dominante, algo que parece estender-se aos outros elementos do grupo.

Em busca da criatividade perdida

Rússia e Coreia do Sul entraram em jogo com sistemas que permitiam o encaixe no relvado, do lado europeu com uma arrumação próximo do 4x1x4x1, enquanto os asiáticos se espraiavam num 4x4x2. O primeiro impulso de ambos os lados foi o de estudar o adversário, ainda que também algum receio se notou nos primeiro vinte minutos, com os dois conjuntos a não quererem ceder vantagem ao outro lado. Durante esse período inicial, apenas um contra-ataque da Coreia do Sul, finalizado, ao lado, por Son, foi o único momento de perigo.

O racionalismo dos dois conjuntos entrou na fase de tomar alguns riscos a partir do minuto vinte. Samedov surgiu a corresponder a um centro, no segundo poste, mas falhou a baliza e Ignashevich, primeiro na sequência de uma bola rechaçada por Jung, após canto, e depois na marcação de um livro, rematou forte à baliza coreana. Só na segunda hipótese, no entanto, criou problemas ao guarda-redes. Zhirkov também viria a ter uma oportunidade, depois de um contra-ataque, mas a bola saiu ao lado, o mesmo acontecendo com remates de Koo e Son na baliza contrária.

Sem que nenhum dos conjuntos mostrasse capacidade criativa, o jogo correu nestes termos fixos, com as equipas a aproveitar, sobretudo, os desequilíbrios nas transições para se aproximar da área adversária, sem conseguir, no entanto, nenhuma oportunidade flagrante.

Mais riscos e chegam os golos

As equipas regressaram do intervalo com mais vontade de correr alguns riscos, subindo linhas, e foram os russos quem criou as primeiras oportunidades, primeiro através de um remate de Ignashevich e, logo a seguir, um cabeceamento de Berezutski ao lado da baliza de Jung. No entanto, viriam a ser os coreanos a chegar primeiro golo, ainda que, antes disso, também desperdiçaram oportunidades, com Koo e Ki a rematarem de fora da área para defesas inseguras de Akinfeev.

Foram, aliás, as mãos de Akinfeev quem maior intervenção tiveram no golo. Lee K., que tinha entrado para o lugar de Park, conduziu a bola num lance de contra-ataque, atrasando o passe para um dos seus colegas, até que arriscou a rematar de fora da área. Akinfeev, voltou a não agarrar a bola, que fugiu caprichosamente para dentro da sua baliza. A Rússia já tinha chamado Dzagoev para o jogo e, a seguir ao golo, Kerzhakov mudou a face do conjunto europeu, reforçando a frente de ataque. A Coreia via-se a ganhar e pensava dar um passo atrás, mas logo de seguida, depois de um lance de insistência dentro da área coreana, foi o próprio Kerzhakov quem marcou o golo do empate.

Quando o ideal é aceitável

Os quinze minutos finais foram tomados por alguma anarquia, com ambas as equipas a sentirem que o empate não era o resultado ideal, mas poderia ser aceite. Coreia do Sul e Rússia criaram oportunidades, mas sempre sem avançar para lá da sua linha de segurança. Os dois treinadores terminaram o encontro satisfeitos com as atuações sólidas que conseguiram, sabendo, ainda assim, que terão que dar mais nos próximos encontros para sonharem com uma longa vida neste Mundial.

As you phone tracker rack up an higher score and complete objectives, you’ll unlock charms that can be crafted into bonus powers

Outros Artigos Recomendados

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *